COMO OUVIR A RADIOWEB CARLÃO MARINGÁ

PARA OUVIR A RADIO CARLÃO MARINGÁ, BASTA CLICAR NO PLAY ABAIXO DA FOTO DO CARLÃO.

segunda-feira, janeiro 23, 2017

Custo fixo para os motoristas do Uber já é mais alto do que o dos taxistas

Na primeira reunião da comissão formada por representantes da Prefeitura, vereadores e taxistas para debater a regulamentação do Uber em Maringá, ontem à tarde na Câmara Municipal, o secretário de Mobilidade Urbana do Município, Gilberto Purpur, apresentou as planilhas de custos que incidem sobre a atividade de um taxista e de um motorista do novo serviço. A intenção era, a partir disso, descobrir formas de aliviar a carga de tributos e taxas sobre o primeiro e definir o que seria cobrado na regulamentação do segundo, buscando um equilíbrio na concorrência entre os dois. Pelos números apresentados, porém, não será daí que se chegará a esse equilíbrio. Isso porque, o custo para a compra e a regularização do veículo já é mais alto para o motorista do Uber do que do táxi. A diferença começa com a aquisição do veículo. O taxista tem um desconto de 30 % na compra de um zero km, devido à isenção do IPI (18%) e ICMS (12%). Ou seja, por um carro de R$ 50 mil, ele paga R$ 35 mil. Já para o outro motorista, o valor é integral. O taxista também tem a isenção no IPVA, enquanto os demais motoristas pagariam, nesse caso, R$ 1.750,00. Pelo seu serviço não estar regulamentado, o motorista do Uber ainda não paga ISS. Mas o taxista autônomo também não. A cobrança em Maringá é só para o chamado táxi empresa (R$ 1.800,00). Esses são os custos anuais que hoje os taxistas têm e os demais motoristas não: padronização ( R$ 360,00), taxímetro (R$ 490,00), aferição Inmetro (R$ 53,00), dispositivo luminoso (R$ 90,00), Seguro Passageiro (R$ 500,00) e a Taxa de Uso e Ocupação do Solo (R$ 219, 79). Portanto, um taxista para comprar o veículo citado e atender a todas as exigências legais por um ano, desembolsaria R$ 36.861, 76; já para o táxi-empresa, R$ 38. 661, 76; e o motorista do Uber, R$ 51.898, 97, que, com a regulamentação, passaria a R$ 55.618, 76. Como será difícil alterar muito esse quadro, já que uma possível desoneração pela Prefeitura só seria possível em relação à Taxa de Uso e Ocupação do Solo e ISS, o foco agora deverá ser a flexibilização do decreto municipal que no ano passado enrijeceu as regras para a atividade dos taxistas em Maringá, aumentando a burocracia, a fiscalização e as penalidades previstas. Essa foi uma das reivindicações apresentadas pela categoria na reunião de ontem. Em relação aos motoristas do Uber, os taxistas pedem, entre outras coisas, que a Prefeitura exija um cadastro, todas as certidões que pra eles já são exigidas, e que só sejam permitidos veículos emplacados em Maringá. Segundo o secretário Gilberto Purpur, uma nova reunião será marcada ainda para esta semana, entre os representantes do Executivo e do Legislativo, na qual serão discutidas as propostas dos taxistas e o que será possível flexibilizar em relação as exigências atuais para a categoria. COMISSÃO Presidida por Gilberto Purpur, a comissão criada na última semana para debater a regulamentação do Uber na cidade é formada por três representantes da Prefeitura, cinco taxistas (Rodolfo Lomba, Marcos Vinicius Godoi, Marcelo Coutinho, Wladimir Ribeiro, Alessandro Pereira dos Santos, Charles Dantas e Olavo Sperandio) e pelos vereadores Homero Marchese, Onivaldo Barris, Do Carmo, Carlos Mariucci e Belino Bravin.

Nenhum comentário: