terça-feira, maio 22, 2018

Polícia tenta descobrir motivação de execução de homem em bar de Moreira Sales e chegar ao autor

Está perigoso frequentar bar em Moreira Sales, onde duas pessoas já foram executadas a tiros em pouco mais de um mês, quando estavam dentro de bares no centro da cidade. No dia 18 de abril, um indivíduo conhecido como Natinho, foi baleado quando estava dentro de um bar em Moreira Sales. Ele tentou correr, atravessando a rua, mas morreu na calçada. Na noite do último domingo, 20 de maio, Antonio Joaquim dos Santos, 40, conhecido como “Toninho Garganta”, foi executado com pelo menos quatro disparos de arma de fogo na noite de domingo, 20, em um bar junto à praça central de Moreira Sales. Além da coincidência de as vítimas estarem no interior de um bar quando foram atingidos por armas de fogo, os dois crimes têm outros pontos em comum: O requinte de execução e a falta de informações sobre a autoria. Sem pistas sobre a autoria da morte de Toninho Garganta, o delegado de polícia de Goioerê, Thiago Soares, busca a motivação do crime, para chegar à sua autoria. O delegado salienta que crimes de execução quase sempre estão ligados a algum tipo de acerto de contas. A vítima Antonio Garganta não tinha antecedentes criminais, mas já surgiram informações sobre condutas suas que podem ajudar a desvendar a autoria de sua morte. O crime não teve testemunhas. O dono do bar, que era a única pessoa no estabelecimento no momento em que o atirador chegou, disse que estava de costas para a cena do homicídio e ouviu apenas os disparos. Foram levantadas informações que o crime foi cometido por um individuo trajando blusa de cor vermelha e preta, com capacete de cor vermelha e viseira preta na cabeça. Esta é a única pista concreta sobre o autor. O delegado Thiago Soares pede o apoio da comunidade de Moreira Sales para que forneçam informações, mesmo que de forma anônima, para ajudar a elucidar o homicídio, que foi o terceiro do ano em Moreira Sales, o segundo com requintes de execução dentro de bar. Qualquer informação que possa ajudar na elucidação do caso pode ser repassada pelos telefones 181 (disque denúncia), 190 (Polícia Militar) ou (44) 3522-1137 (Polícia Civil de Goioerê), mesmo que de forma anônima. Fonte: GoioNews

Nenhum comentário: